Será que estamos tratando a geração longeva da forma como ela merece?



Em tempos passados, uma pessoa na faixa de 40, 50 anos, já era considerada idosa e bastante improdutiva. Nos dias de hoje, felizmente o cenário tem mudado bastante. Isso porque conseguimos o que tanto queríamos: envelhecer com saúde e qualidade de vida.


O mundo está ficando mais maduro e grisalho e as pessoas com mais idade mantêm-se ativas. Segundo o IBGE, temos, hoje, no Brasil, 13% da população com mais de 60 anos, e as projeções indicam que nas próximas duas décadas essa porcentagem subirá consideravelmente. Em 2042, provavelmente teremos mais de 232 milhões de habitantes e, assim, cerca de 57 milhões de idosos. Acredita-se que, em 2031, o número de idosos pela primeira vez superará o de crianças e adolescentes no país e que, antes de 2050, as pessoas com mais de 60 anos já estarão representando um grupo maior do que o da população com idade entre 40 e 59 anos.


Mas, será que a sociedade está preparada para abraçar esse público? Como estão as oportunidades para essas pessoas? Definitivamente, há muitas lacunas e o preconceito, que traz impactos relevantes, precisa ser quebrado. Foi exatamente com esse objetivo que surgiu o Movimento Somos 60+, do qual eu faço parte.


Hoje, essas pessoas estão no mercado de trabalho, são economicamente ativas, potenciais consumidoras, integradas às novas tecnologias e precisam ser incluídas, respeitadas e ter suas necessidades muito bem assistidas. Mas, e amanhã?

Mesmo que a garantia dos direitos da pessoa idosa, que envolve saúde, trabalho, assistência social, educação, cultura, esporte, habitação e meios de transporte, esteja regulamentada pela Política Nacional do Idoso e, também, pelo Estatuto do Idoso, o cenário ainda está longe do ideal. Porém, esses documentos auxiliam na construção de políticas e projetos capazes de prover a esperada qualidade de vida para a geração longeva.


Os números não podem ser ignorados e essa população precisa de visibilidade e inclusão. Assim, o Movimento Somos 60+ tem como premissa principal garantir que essa fatia tão relevante da nossa população seja vista e atendida, com carinho, compreensão, respeito e inclusão.


Somos uma plataforma de conteúdo e inclusão que gera informações relevantes e conecta pessoas que se dedicam a ofertar serviços e produtos para essa parcela da população. Queremos fortalecer, junto às comunidades, os conceitos de diversidade e inclusão, além de enfatizar a importância da luta contra o etarismo e a violência contra o idoso, promovendo sempre a saúde e o bem-estar de todos os cidadãos acima dos 60 anos de idade. E contamos com a experiência de uma rede agregadora de especialistas, professores, consultores, entidades e empresas especializadas.


Além disso, temos o objetivo de trabalhar a empatia e ajudar a sociedade no que diz respeito à capacidade de se colocar no lugar do outro e de entender as dificuldades e oportunidades, pois entendemos que isso é essencial nos dias de hoje.

O Movimento Somos 60+ também tem um trabalho social que apoia e ajuda instituições de longa permanência para idosos (ILPI) pelo Brasil, como maneira de garantir o cuidado para o público idoso.


Enfim, há muito a discutirmos e quero convidá-los a isso e a também visitar o nosso site. https://www.somos60mais.com.br/


Tania Machado

Diretora Executiva da TM Jobs com 20 anos de atuação e experiência na área da saúde. Sócia do Movimento Somos60 mais e Presidente da ABPRH – Associação Brasileira de Profissionais de RH.

Posts Em Destaque
Posts Recentes